27/12/2010

A crise de militância

Dois anos depois de o ex-presidente do Sporting, Filipe Soares Franco, se ter queixado da crise de militância leonina e do decréscimo de adeptos em Alvalade, o assunto continua na ordem do dia e torna-se cada vez mais grave e urgente de resolver nas hostes dos verdes e brancos. "Temos cada vez menos adeptos no estádio. A crise tem algum impacto, mas é sobretudo uma crise de militância. A campanha realizada [para angariar adeptos] não teve nem de perto, nem de longe, o resultado esperado. É um problema que o clube tem, o Sporting devia fazer crescer a massa associativa, foi um dos maiores falhanços. Tem obrigação de crescer", disse Soares Franco, em 2008. Com 2010 quase a acabar, o Sporting soma o quarto ano consecutivo a perder adeptos no novo Alvalade, situação com impacto menor nas contas de um clube de futebol, mas com peso importante no fulgor social que move paixões...

Em sete anos e meio, desde que o novo estádio foi estreado no Verão de 2003 com o Manchester United, o Sporting já teve quase cinco milhões de espectadores nas bancadas nos jogos em casa. O jogo menos visto "in loco" foi com o Varzim, para a Taça de Portugal, em 2005 (6112 espectadores), enquanto o mais visto levou quase 50 mil ao estádio: o Benfica em 2005 (49 032).

O ano com melhor média de assistências em Alvalade foi 2006, com 31 481 pessoas por jogo. Desde essa altura, já vão quatro anos seguidos com a média a descer, até chegar à mais fraca de sempre em 2010: 21 939 espectadores por jogo.

Os motivos para a desertificação de Alvalade são muitos, alguns com solução possível, outros nem tanto... O fraco espectáculo que a equipa vem oferecendo aos adeptos, aliado aos maus resultados desportivos dos últimos anos, são os dois principais motivos da fuga de espectadores. A crise de militância detectada por Soares Franco há anos é outra das causas, tal como a crise económica, o custo dos bilhetes, a perda da rotina de compra de bilhete de jogo e a venda de Gameboxes anuais com mais vantagens para os não sócios que para os sócios (que têm de pagar ainda as quotas), o mau estado do relvado, os horários dos jogos e as transmissões televisivas.

O divórcio entre a equipa de futebol e os adeptos está a intensificar-se, por muito que os jogadores corram para as bancadas em agradecimento no final dos jogos. Será necessário fazer mais...

IN ojogo

2 comentários:

Anónimo disse...

acções a 70 centimos... o sporting já não está em saldos... é liquidação total! O Sporting está a dar passos largos para a belenização. É urgente correr com estes derigentes.Heitor. Precisamos de sangue novo!

jg1906 disse...

Sangue novo, gente nova, novos métodos e principalmente mentalidade nova. Mude o 'vento' que os sportinguístas tornam a casa.